fbpx

Unidade Piloto: Rua Sadaa K. Saad Aboujaoude, 130 – São José do Rio Preto / SP

(17) 3500-3510 | (17) 3222-5465

Image Alt
  /  blog   /  Conheça a criolipólise: O tratamento que congela a gordura localizada

OligoFlora

criolipolise

Conheça a criolipólise: O tratamento que congela a gordura localizada

Entenda como uma das técnicas mais modernas e seguras para o tratamento de redução de gordura localizada funciona e aprenda a como potencializar os resultados.

História

A Criolipólise, ou “Crio”, surgiu como fruto de uma pesquisa de um grupo de cientistas americanos (Sydney R. Coleman, Barbara M. Egbert, Kulveen Sachdeva, Jessica Preciado e John Allison) na Universidade de Harvard em 2008.  Nela, foi avaliado o comportamento de células de gordura de uma espécie de suínos sob o resfriamento, no caso, o congelamento. Por meio desse estudo, eles perceberam que tais células chegaram a reduzir em até 50%.

Em 2011, concluíram-se os estudos da técnica em humanos, que tiveram redução de até 26% das células de gorduras.

Como funciona?

O equipamento possui um cabeçote que faz a sucção da região onde vai ser resfriada, diminuindo a circulação na região já que baixas temperaturas têm mais afinidade por líquido e menos por gordura, congelando as gorduras e preservando as células sanguíneas.

Nos primeiros 5 minutos do procedimento, ocorre um alto aquecimento para que haja vasodilatação possibilitando o congelamento dessas células de gorduras e para que o resfriamento atinja principalmente as células de gordura.

Após esse período, a temperatura cai gradativamente até os -8 ºC durante 50 minutos. Depois desse intervalo, o cabeçote é desacoplado e uma massagem é feita no local para ajudar a resgatar a sensibilidade da região.

O resultado do tratamento não é na hora!

Diferente das demais técnicas de redução de medidas, a Crio promove o desarranjo na estrutura de carbonos presentes nos triglicerídeos das células de gordura. Esse desarranjo molecular leva à morte de até 26% dessas células que, uma vez mortas, iniciam um mecanismo fisiológico ativando o sistema imunológico que faz a fagocitose, ou seja, a “faxina e limpeza” para retirar essas células mortas do organismo.

Esse processo fisiológico tem início a partir do 3º dia, seu processo é intensificado com 30 dias e finalizado em até 60 dias. Isto é, só é possível ver o resultado de uma sessão de Criolipólise a partir de 30 dias.

O resultado da Crio é permanente?

Se o cliente não ganhar peso durante o tratamento, o resultado é duradouro uma vez que as células de gorduras mortas já foram eliminadas do corpo.

A Crio causa queimaduras?

O único problema que pode acontecer com a Criolipólise é a queimadura. Isso ocorre devido à não utilização de membranas de anticongelamento homologadas pelo fornecedor que desenvolve as máquinas ou a utilização inadequada delas.

Essa membrana é preparada com uma série de substâncias emolientes e protetoras que impedem que a pele sofra queimaduras em função das baixas temperaturas. Quando essa membrana não possui a qualidade sugerida pelo fornecedor, ela pode se romper e, assim, causar as queimaduras.

Além disso, quando a manta não se rompe, as queimaduras podem ocorrer porque o profissional, que executa o procedimento, não deixa a manta com uma margem de segurança adequada em torno do cabeçote. Essa margem é de aproximadamente 4 a 5 dedos em volta do cabeçote para que, quando ocorra a sucção, ainda sobre de 3 a 4 dedos de manta em volta do cabeçote.

Assim, a queimadura só é possível quando a manta térmica não é da marca que o fabricante do equipamento orienta ou quando não foi utilizada de maneira adequada à margem de segurança e ao controle de qualidade.  Fora isso, é uma técnica extremamente segura.

A Crio dói?

Não. Por ser um tratamento que causa resfriamento, durante a sessão, a sensibilidade na região é diminuída e, por isso, o procedimento é indolor.

Período mínimo entre sessões: 60 dias

Não é permitido repetir o procedimento na mesma região antes de 60 dias. Pois, nesse período, há uma intensa ação das células do sistema imunológico para evitar de formação de fibrose.

Contraindicações

As contraindicações do tratamentos são padrões para os procedimentos estéticos em geral. Como exemplo, são elas: doenças, problemas cardíacos, doenças autoimunes e alergia ao frio.

Vale lembrar que, antes de realizar o procedimento, é extremamente importante que o cliente faça uma avaliação para mensurar a espessura de gordura, área a ser tratada além de verificar se possui alguma contraindicação.

Regiões em que pode ser realizada?

Abdome, flancos, interno de coxas, costas, culotes.

Quem pode executar a Crio?

Desde que o equipamento seja homologado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), as membranas anticongelamento sejam utilizadas de maneira correta e as contraindicações sejam respeitadas, o procedimento pode ser realizado pelos profissionais da saúde que tenham especialização em estética.

Como potencializar os resultados?

Os resultados podem ser potencializados quando o tratamento for aliado à nutrição balanceada, à prática de atividades físicas além de a outros procedimentos estéticos como massagens redutoras e Detox Corporal.

Conclusão

A Crio é um método eficaz e seguro para combater os “pneuzinhos”. Se executada corretamente por um profissional capacitado e se todas as normas de segurança forem seguidas, o tratamento é uma ótima alternativa para reduzir medidas sem cortes e sem cirurgias.

Por isso, ouça quem já fez, busque por clínicas com experiência na realização desse tratamento e esteja sempre atento às condições de segurança para não enfrentar futuras complicações.

Encontre a unidade mais próxima de você e agende uma avaliação gratuita.